Chip da Neuralink vai restaurar movimentos do corpo

Progresso tecnológico da Neuralink será revelado em 28 de agosto; pelo Twitter, empresário deu pistas sobre o que está sendo desenvolvido pela startup

Chip da Neuralink vai restaurar movimentos do corpo

O dia 28 de agosto é aguardado com ansiedade por quem acompanha os projetos da Neuralink, startup de neurotecnologia fundada com a participação de Elon Musk. Em evento marcado para a data, a empresa demonstrará seu progresso no desenvolvimento de tecnologias integradas ao cérebro humano. Em tuítes feitos na quinta-feira (30), o bilionário deu mais pistas sobre o que será revelado.

A princípio, um dos objetivos da empresa é restaurar, por meio da tecnologia, o funcionamento de neurônios danificados. Em resposta a um usuário que havia tuitado informações imprecisas sobre o cérebro humano, Musk deu uma pequena “aula” sobre sinapses e informou que o evento de 28 de agosto terá uma demonstração em tempo real de “neurônios disparando”.

Em entrevista recente ao podcast Joe Rogan Experience, o empresário afirmou que a instalação de um chip no cérebro seria capaz de resolver uma série de problemas, como perda de audição, visão e movimentos.

No Twitter, um usuário perguntou se a Neuralink tem planos de realizar o mesmo procedimento na medula espinhal.

“Sim, deve ser possível criar um desvio neural do córtex motor para os microcontroladores nos grupos musculares e restaurar o movimento, mesmo que alguém tenha uma medula espinhal totalmente danificada", respondeu o empresário.

Yes, should be possible to create a neural shunt from motor cortex to microcontrollers in muscle groups & restore movement even if someone has a fully severed spinal cord. First part has already been demonstrated with Utah array, but not as an outpatient device.

Embora os primeiros experimentos de chips no cérebro estejam focados em finalidades motoras, a Neuralink não exclui a possibilidade de usar a tecnologia para o entretenimento. No dia 19 de julho, Musk fez um tuíte sugerindo que futuros implantes serão capazes de reproduzir música diretamente no cérebro, além de estimular a liberação de serotonina, hormônio responsável pela sensação de felicidade.

Fonte: Olhar Digital

01/08/2020

Compartilhar